Cadastre seu e-mail para receber dicas fantásticas sobre SUCESSO e PROSPERIDADE

A raiva e o exercício da folha amassada

No nosso dia a dia nos deparamos com muitos momentos que os tiram fora do sério, e nos deixam com raiva, não é mesmo? Em casa, com filhos ou cônjuge, com nossos pais, com colegas de trabalho ou amigos; no trânsito, no mercado, ou aquele atendente de telemarketing… por isto gostaria de propor  o exercício da folha amassada. E depois uma reflexão.

raiva-1

 

O exercício da folha amassada

Pegue uma folha de papel em branco. Não importa se é sulfite, se arranque do caderno. Importa que seja uma folha lisa, sem uso, ok? Agora amasse esta folha. Isso mesmo. Bem amassadinho, com vontade. Pode até pensar em quem te inferniza e amasse com vontade.

Muitas vezes na vida nos sentimos com fúria e com raiva.  Num momento desses, rezamos para ninguém aparecer em nossa frente, porque poderíamos até cometer uma loucura. Quebrar a cara da pessoa, xingar, dizer desaforos…

Bem, na verdade, o que eu pedi para você fazer na folha foi exatamente o que gostaríamos de fazer muitas vezes com alguém. Mas há um porém: a raiva e a fúria, quando direcionadas para uma pessoa, dificilmente traz algum tipo de benefício. Qualquer agressão que direcionamos para o mundo e para as pessoas volta para nós potencializado.

 6fd2fb765473347f231f463663276b020b0ebd8c4b99527c79pimgpsh_fullsize_distr

A Lei da Ação e Reação e a raiva

Ninguém se torna um ser humano melhor por expressar sua raiva a torto e a direito. Você pode pensar que “lavou sua alma”, que “falou o que tinha que falar”. É um argumento muito usado, sei disto. Mas você já pensou que o que emitiu vai voltar para si mesmo? Lembrou-se que “a vida te dá mais do mesmo”? E será que quer receber  episódios diários para exercitar sua raiva?

raiva-4

A Lei de Ação e Reação não é só matéria de segundo grau, ou estudo da Física. Ela existe e acontece o tempo todo em nossas vidas. Acontece que quando não é algo facilmente identificável tendemos a achar que é só teoria, que não existe no mundo em que vivemos. Mas existe sim!

Se você jogar uma bola com força numa parede, ela voltará com a mesma velocidade. Lei de ação e reação. Se um pingo da água bate no chão, o chão o repele, e ele sobe. Lei de ação e reação. No nosso dia a dia, vemos exemplos a todo o instante, e os mais insanos. Por exemplo, um motorista cruza o carro na frente de outro sem avisar. O outro motorista começa a perseguir o carro que lhe cruzou a frente. Tenho certeza que já viu isto, não é?

Isto seria evitado de duas formas: se o primeiro motorista não cruzasse a frente do outro (não haveria reação); ou se o segundo motorista, frente a imprudência do primeiro, não iniciasse a perseguição, controlando sua raiva de momento. Todos temos escolhas. Cabe a nós exercê-las.

 

A hora do arrependimento

Eu sei que após grandes explosões normalmente paramos para pensar no que falamos ou fizemos. E aí ficamos até com pena do nosso “alvo de fúria”, não é verdade? Tal qual a folha, quando olhamos o que fizemos com ela há pouco. Deixamos aquela folha lisa toda amarfanhada, amassada, irreconhecível.

Nos questionamos o motivo de termos nos descontrolado. Será que foi a cabeça quente? Nossa, será que é de família? Ah, deve ser porque tem sangue quente? Seja qual for a desculpa que você dá para seu comportamento, o que importa é que agora você não está gostando do resultado, não é verdade?

raiva-6

Esta sensação horrível chama-se arrependimento. Ela é desagradável porque temos que lidar com dois fatos inegáveis:

– somos responsáveis pelo que fizemos

– o tempo não volta e não dá para desfazer a cena…

 

Continuando o exercício da folha amassada

Vou então te pedir para continuar o exercício proposto. Pegue esta bolinha de papel que está aí com você e a abra. Estique a folha e tente alisá-la em 15 segundos. Não vale querer passar a ferro. Use os recursos que tiver agora.

 

Por mais que você tente esticar, a folha não volta a ficar da mesma forma que era antes. Pode levar até dois minutos tentando. Colocar debaixo de um livro. Mesmo assim as marcas de amassado não vão sair dela.

Pois com os relacionamentos acontece o mesmo. Quando descontamos nossa raiva, nossa fúria, em alguém específico ou num grupo, quando jogamos nossa raiva para o universo, ou agredimos alguém, é como se amassássemos uma folha lisa. Nós marcamos de forma profunda e irreversível relacionamentos, pessoas, grupos. Não adianta depois pedir desculpas, querer agradar, algo na relação é afetado. Uma amiga minha diz sempre que “desculpa não levanta defunto”. E é verdade.

 

Vincos no papel, vincos na alma

Marcar a alma, as emoções de alguém é algo muito sério. Não é uma folha de papel. São arquivos de memória que são acessados cada vez que a pessoa passa por situação semelhante, ou se relaciona novamente com quem a feriu ou magoou.

raiva-5

Nosso subconsciente grava situações boas e ruins. Se a pessoa recebe várias vezes o mesmo estímulo negativo, ela cria um caminho neuronal, que será ativado a cada vez que passar por uma situação com as mesmas características. Já viu crianças que se encolhem quando os pais começam a falar mais alto? Elas já sabem que pode “sobrar para elas” quando os pais estão nervosos. Elas se protegem de antemão. Já foram machucadas. E farão este tipo de movimento em situações diferentes pela vida afora, na escola, no trabalho, em relacionamentos amorosos ou de amizade.

Por isso eu recomendo: pense cada vez que for falar algo, ou fazer alguma coisa para alguém. Dê-se um minuto para sentir se você gostaria de ouvir as palavras que você tenciona proferir, ou receber a ação que você quer fazer.

 

Coloque-se no lugar do outro

Muitos poderão dizer: mas já fizeram isto comigo, ninguém pensou em mim. Por que não posso fazer isto com o outro? Eu lhe devolvo com outra pergunta: você gostou de ser magoado, ter sido alvo da raiva de alguém? Provavelmente, não.

Portanto, é uma regra simples: se você não gostaria de receber aquele tratamento, não faça com outras pessoas. Simples assim. Se você tiver um martelo na mão, vai querer pregar um prego no seu dedo? Então não pregue no dedo do outro. Se você fosse uma folha de papel lisinha, gostaria de ser amassado?

f2f9221ffcd4de1f166091e73e185b5fd536b36978d1e2c5e7pimgpsh_fullsize_distr

Somos pessoas, não folhas de papel

Somos pessoas com sentimentos. O que sentimos, o outro sente. Se não souber como reagir, mantenha-se em silêncio, e coloque-se no lugar da outra pessoa. Não adianta gritar com o atendente de telemarketing. Ele é o funcionário, e não o dono do serviço, por exemplo.

Não adianta gritar com seu filho, cônjuge, colega de trabalho… converse e explique a situação que você não gosta ou não aceita, mostre-lhe o porque de você ter ficado com raiva, mas só depois que se acalmar. Isto é fundamental, porque muitas vezes, se der um tempo para olhar a situação, verá que se exaltou a toa.

Evite arrependimentos. Não cause marcas profundas em ninguém. Somos seres racionais, possuímos a capacidade de nos colocar no lugar do outro. Só assim construímos relações e um mundo melhor.

Agora, assista ao vídeo sobre este assunto.

Dê sua opinião sobre este artigo. Se quiser receber mais artigos, assine nossa newsletter, clicando no botão abaixo. E compartilhe com os amigos.

bt_receber

 

QUER SALTAR PARA O PRÓXIMO NÍVEL DE SUA VIDA?

Eu vou te mostrar que SUCESSO não é uma questão de sorte ou azar. A grande sacada do sucesso profissional e pessoal é que ele pode ser construído com o auxílio de uma metodologia específica, que atua sobre as crenças limitantes e os sabotadores, eliminando-os de vez. E isso vai te fazer saltar para novos patamares de resultados, atraindo prosperidade e realização para sua vida.

SAIBA MAIS

© 2016 Marcia Luz. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Termos de Uso. Desenvolvido por Blueberry Marketing.

Top