Alunos do projeto Pescar, em são José, adotaram prática que visa o foco na positividade

Alunos da sétima turma do projeto Pescar

 

– Um dia antes de ser hospitalizada, estava imersa em uma roda de conversa com meus colegas. Eles começaram a reclamar da vida e de todos os problemas que estavam enfrentando. Questões com os pais, na escola, em casa, namoro, no fim, tudo um pouco bobo, mas que parece um bicho de gigante para quem é jovem demais.

Na manhã do dia seguinte, fui internada por conta da paralisia facial que sofri aos 9 anos. Tive que ficar lá e nesse espaço de tempo enxerguei um mundo diferente. Eram pessoas doentes, com diversos problemas graves de saúde, outras à beira da morte. Familiares e amigos reunidos e desesperados pela situação da pessoa querida. Ver isso de perto mexeu muito comigo. Percebi o quão importante é valorizar a vida, desde o nosso respirar até as coisas mais concretas, como ter uma casa e onde estudar. Exercer a gratidão diariamente tem me mostrado que, todos os dias, é possível ser feliz

 

O depoimento acima é de uma menina, uma jovem de 18 anos. Stefany é estudante, tem cabelos cacheados e um jeito manso ao falar. Profissionalmente, deseja se tornar fisioterapeuta e sonha em ajudar muitas pessoas. Hoje em dia ela ainda sofre recaídas por causa da paralisia, pois não tem acesso ao tratamento adequado.

Ao fazer o pequeno relato acima, conseguiu, em meio as palavras, emocionar todos os colegas da turma do projeto Pescar. O programa, que acontece em São José, no bairro Barreiros, promove oportunidades para que estudantes passem por uma iniciação profissional através de cursos, como atendimento ao cliente e vendas.

A iniciativa, que ocorre durante 12 meses e está em sua sétima turma, também busca auxiliar na construção da cidadania e desenvolvimento pessoal dos alunos. Apenas jovens, entre 15 e 19 anos, que vivem em situações de vulnerabilidade social, podem participar da proposta.

 

 

 

 

Pote da Gratidão                         

Potes da gratidão da turma do projeto Pescar

Em uma dessas aulas, comandadas pela educadora social Lucineia Bernardi, que Stefany e todo grupo, composto por 24 alunos, receberam a visita da Katia Regina. Ela trabalha na AEMFLO e CDL, Associação Empresarial da Região Metropolitana de Florianópolis, uma das empresas mantenedoras do projeto Pescar em Santa Catarina.

Durante o encontro, Katia compartilhou um pouco sobre a experiência profissional e vida pessoal. Também comentou como praticar a gratidão diariamente mudou o seu dia a dia e a ajudou a passar por situações difíceis. “Mostrei para eles vídeos do curso que faço com a psicóloga, coach e palestrante Marcia Luz, ‘A Gratidão Transforma’. No dia anterior à minha visita, todos foram orientados a trazer um pote para uma atividade que aprendi no curso”.

Lucineia e Katia

Katia ensinou aos jovens o exercício do Pote da Gratidão. Para participar Da tarefa, o recipiente apenas precisava ter tampa, e ser confeccionado de forma que ficasse bonito e agradável aos olhos. Todos os dias, os alunos devem escrever bilhetinhos a respeito de coisas pelas quais se sentem gratos e colocar então no pote.

“A técnica é utilizada para incentivar o hábito de agradecermos por situações que ocorrem em nossas vidas, e que muitas vezes passam despercebidas. O agradecimento pode ir desde ganhar um presente até receber um abraço gostoso. O importante é lembrar que sempre há motivos bons pelos quais se sentir feliz, e desfocar nossos olhos dos problemas, e de toda negatividade a nossa volta”, explica a coordenadora de eventos, da AEMFLO e CDL.

Repita “gratidão” três vezes

Desde então, a nova prática foi adotada de braços abertos pela turma. Todos os dias, cada estudante pega o seu pote e antes das aulas começarem, escrevem seus bilhetinhos de agradecimento e o guardam no potinho, não antes sem repetir três vezes: GRATIDÃO, GRATIDÃO, GRATIDÃO.  No final do ano, antes do curso acabar, o grupo abrirá o compartimento para ler tudo que agradeceram após começarem o desafio.

 

Vidas transformadas através do hábito da gratidão

Jovens do projeto Pescar

Segundo a professora Lucineia, após a prática do pote da gratidão ter começado no grupo, é notável a diferença no comportamento dos estudantes. “A principal transformação que eu percebi foi no entrosamento e empatia de uns pelos outros. Eles vêm de situação de vulnerabilidade, estão muito acostumados com os julgamentos, com a falta de respeito, de não serem vistos como parte importante de algo. Estou no projeto há sete anos, e minha maior dificuldade com as turmas anteriores era justamente na questão do relacionamento, de trabalhar as diferenças. Com a proposta da gratidão o olhar de cada um foi mudando aos poucos, e hoje, amizades sólidas estão sendo construídas aqui”.

Não foi só a Stefany que aderiu ao pote da gratidão, outros alunos da turma também gostaram da tarefa. Alguns relutaram em participar no início, mas agora, entendem a importância de agradecer.

“Todos os dias, antes de dormir, eu e minha família nos reunimos para agradecer pelo dia que tivemos. Pelas nossas conquistas e dificuldades”, comenta Leticia de Andrade, de 17 anos.

Victor

Para Victor, de 19 anos, estudante do Instituto federal de Santa Catarina, IFSC, “Agradecer tem mudado minha forma de pensar, no entanto, ainda não consegui influenciar meus amigos e familiares a fazerem o mesmo. É difícil mudar a visão dos outros”.

Izadora

Izadora, de 18 anos, sonha em ser bióloga e está fazendo cursinho pré-vestibular. Para a jovem,  “A gratidão tem transformado quem eu sou por dentro. Mudou completamente a minha energia. Me sinto bem, feliz de verdade! É como se todo o estresse e ansiedade fossem deixados de lado, pelo menos por um momento”.

Mikaela

“Sabe, é maravilhoso poder acordar de manhã e agradecer só por poder abrir os olhos”, comenta Mikaela, de 15 anos.

 

Não para por aí!

Lucineia adianta que a atividade do potinho é apenas o início. Em breve, os alunos adotarão uma nova prática: criar o caderno da gratidão. O mesmo deve ter páginas em branco, sem nada escrito, e será utilizado todos os dias. Ali, antes de começarem as tarefas diárias, os estudantes precisam enumerar 10 motivos ou mais pelos quais agradecem no dia.

 

Quer saber mais sobre como a gratidão pode mudar a sua vida?

A psicóloga e palestrante Marcia Luz, realizará nessa quinta-feira, 22, um webnário com o tema: “Faça de 2017 o MELHOR ano da sua vida com o PODER da Gratidão. O seminário online ocorrerá às 20h, e é totalmente gratuito.

Para participar, é só acessar o link: http://agratidaotransforma.com.br/ano/

 

Quem é Marcia Luz?

Marcia Luz é psicóloga, especializada em Administração de RH e gestal-terapia, mestre em Engenharia de Produção, professora de pós-graduação e palestrante.

Autora de oito livros, entre eles o best seller “Agora é pra Valer”, Marcia também atua como coach executiva e pessoal formada pelo ICI. Sendo sócia-presidente da Plenitude Desenvolvimento Humano Ltda.

Realizadora do CONADE,

maior Congresso Nacional de Autodesenvolvimento Online, que em 2015 reuniu 42 mil participantes e os 56 maiores palestrantes do Brasil. Marcia organiza também o COMGRATIDÃO, primeiro congresso mundial da gratidão. Em 2016, o evento reuniu 40 mil participantes e 32 palestrantes nacionais e internacionais.

 

 

Quer participar da minha lista VIP no WhatsApp e receber conteúdos exclusivos? Envie seu NOME e SOBRENOME para o meu WhatsApp:  48 99944-8609

 

 

21/06/2017

‘Gratidão’ ajuda a transformar vida de jovens em vulnerabilidade social

Alunos do projeto Pescar, em são José, adotaram prática que visa o foco na positividade   – Um dia antes de ser hospitalizada, estava imersa em uma roda de conversa com meus colegas. Eles começaram a reclamar da vida e de todos os problemas que estavam enfrentando. Questões com os pais, […]